domingo, 9 de outubro de 2016

Slow sundays












photography by us

Sundays are such weird days... We never really feel like doing anything, but we also feel like doing something different at the same time. It's that feeling of lazyness because you know the weekend is almost over, but also the feeling of wanting to enjoy it the fullest for the same reason. Does this make any sense? But, hey, we never end up doing any of those and simply stick to the basics: walking down pretty parks and pretty buildings, taking tons of photos, losing track of time in between ramblings and having a beer at our favorite café in town.
Route 66 is what it's called. It's a cool place decorated with stuff from the famous route 66 and one of the few that actuallly plays music that we like. It's pretty easy to guess why it's our favorite... The Doors playing in the backgroung and all the american signs on the walls is the perfect set up to make us daydream about a roadtrip to California. And dreams... Well, dreams are a daily reminder that life is full of possibilities, even if the world tells you to stop, to settle, to work a 9 to 5 job, to marry, to have kids, to be less human and more machine. And it's fine if you wanna marry, have kids and a job that provides financial stability, but please remember that there's so much more you can do than doing what you're expected to. Never, ever, stop dreaming.

(We told you we ramble a lot. We were talking about sundays, right?)

//

Domingos são sempre dias estranhos. Nunca temos vontade de fazer nada, mas ao mesmo tempo queremos sempre planear alguma coisa diferente. É aquele sentimento de preguiça porque o fim de semana está a acabar, mas também o sentimento de querer aproveitar tudo ao máximo exactamente pelo mesmo motivo. Isto faz algum sentido? A verdade é que acabamos por nunca fazer nada do que aqui descrevemos e ficamo-nos pelo meio termo que resulta sempre: caminhar por parques e edifícios bonitos, tirar mil fotografias, perder noção do tempo entre devaneios e beber uma cerveja no nosso café favorito.
Route 66 é o nome do café. Está decorado com coisas da famosa rota 66 e é um dos poucos que passa música que realmente gostamos. É fácil perceber porque é que é o nosso favorito... The Doors a tocar no plano de fundo e todos os sinais americanos pendurados nas paredes são o cenário perfeito para nos por a sonhar com uma viagem de carro à California. E os sonhos... Bem, os sonhos são um lembrete diário de que a vida é cheia de possibilidades, mesmo que o mundo nos mande parar, assentar, trabalhar das 9 às 5, casar, ter filhos, ser menos humano e mais máquina. E não há problema em querer casar, ter filhos e trabalhar em algo que nos dá estabilidade, mas por favor não se esqueçam que há tão mais para fazer do que aquilo que esperam de nós... Nunca, nunca, deixem de sonhar.

(Nós avisamos que gostávamos de divagar. Estávamos a falar de domingos, certo?) 

terça-feira, 9 de agosto de 2016

Sun it rises















photography by us

And it's been three months since our last post... It's becoming quite a habit by now, isn't it? I guess we'll stop making excuses and admit it once and for all: we suck at committing to things like this. We don't like sharing average photos or random things just to keep you guys updated and we don't feel inspired all the time. We're humans. We have boring days. We have bad days. And that's fine. Our latest dilema? Editing photos. So, here's the thing: we take photos all the time, but we were never really satisfied with the editing we did. For example, these shots were taken back in June, but we took this long to share them because we didn't like them enough. But that problem is solved and here they are! Enough rambling. Let's talk about the place you see above, shall we?
So, as we said, these photos were taken back in June, when we went to this beautiful place called Serra da Freita with Joel's family. We had a picnic, walked through the forest, dipped ourselves in the crystal clear water of the mountains and just enjoyed the company of our loved ones. We appreciate moments like this a lot, because we don't take them for granted. Life is way too precious and way too short not to care about the important people in our lives. 

With love, 

Joel & Sara

//

E passaram-se três meses desde a nossa última publicação... Começa a ser hábito começar todos os posts assim, certo? Acho que nos vamos deixar de desculpas e admiti-lo de uma vez por todas: nós somos péssimos a comprometer-nos com coisas assim. Não gostamos de partilhar fotografias razoáveis ou aleatórias só para vos manter actualizados e também não nos sentimos inspirados a toda a hora. Somos humanos. Temos dias aborrecidos. Temos dias maus. E não faz mal. O nosso último dilema? Editar fotografias. O problema é este: estamos constantemente a fotografar, mas não temos conseguido ficar satisfeitos com a edição que fazemos. Por exemplo, estas fotografias já foram tiradas em Junho, mas demoramos tanto tempo a partilhá-las, porque simplesmente não gostávamos delas o suficiente. Até agora! Problema resolvido e acabamos por aqui os devaneios. Vamos falar do sítio que aqui vêm, pode ser? 
Como dissemos, estas fotos já foram tiradas em Junho, quando fomos à linda, linda Serra da Freita, em Arouca, com a família do Joel, Fizemos um piquenique, caminhamos pelas paisagens carregadas de verde, sentimos a água gelada e límpida das montanhas e aproveitamos o tempo com as pessoas que nos são mais queridas. Estimamos muito, muito momentos como este, porque não os tomamos por garantido. A vida é demasiado preciosa e demasiado pequena para não nos importarmos com os seres humanos que mais nos dizem. 

Com amor, 

Joel & Sara

sábado, 7 de maio de 2016

Selfless Love | story no. 1



videography by Sara
music kindly provided by Haley Heynderickx

I've been wanting to experiment with videography for a while now, since I often find myself filming little moments of life with Joel. For me, photography, cinematography, music, art in general, really, seems to have this immense power of connecting humans with one another. Being able to fill empty spaces with raw emotions and share them with others feels like something so rare these days... People need to allow themselves to feel things again. Not by liking a picture on instagram, not by sharing how happy you are about your trip to London on facebook. But by truly spending time with your loved ones, to truly connect with them. 

'Selfless Love' is a short film about loving wholeheartedly, not expecting anything in return. It is a gift for the man you see above; for the most caring, genuine human being I know. And, hopefully, it is a reminder to you that life is so much more than having followers on social media, expensive clothes or fancy cars, things, just things. Aim for something greater than that. 

With love, 
Sara

//

Videografia é algo que já queria experimentar há algum tempo, já que é tão comum dar comigo mesma a filmar pequenos momentos com o Joel. Para mim, fotografia, cinema, música, a arte em geral parece ter este poder enorme de relacionar ser humanos uns com os outros. Poder preencher espaços vazios com sentimentos crus e partilhá-los com outras pessoas começa a ser algo tão raro nos dias que correm... Precisamos de nos permitir sentir coisas outra vez. Não ao gostar de uma fotografia no instagram, não ao partilhar no facebook o quão felizes estamos pela viagem que fizemos a Londres. Mas ao passar tempo com quem gostamos, a relacionarmo-nos de verdade uns com os outros.

'Selfless Love' é um pequeno filme sobre amar de coração cheio, sem esperar nada em troca. É um presente para ti, meu amor, a pessoa mais genuína que conheço. E é também - espero - um lembrete para mim, para ti, para vocês, de que a vida é tão mais do que os seguidores que temos nas redes sociais, do que as roupas caras e do que os carros aparatosos, do que coisas... apenas coisas. Queiram algo melhor do que isso.

Com amor, 
Sara

segunda-feira, 7 de março de 2016

The Peter Pan Complex






photography by Sara

Hi, guys. It's been a while.

We miss writing for you, sharing the things we love, reading your kind words and give back some inpiration... But truth is we don't really have a better excuse for our absence than this: Growing up is hard. We've been trying to figure out how to do it this whole time. 
We're still here, though. And that's all it matters, really. Future is just a concept, right? We're never truly in the future... We're just here, right now. And this precise moment is all we have. So, people in your twenties: if you're having a hard time growing up, like us, please know that it's okay.

//

Hi, guys. O tempo voa... E passou-se mais de um mês desde a nossa última publicação. 

Temos saudades de escrever para vocês, de partilhar as coisas que nos aquecem o coração, de ler as vossas palavras e de retribuir alguma inspiração... Mas a verdade é que não temos nenhuma desculpa  melhor para a nossa ausência a não ser esta: Crescer é difícil. E temos estado a tentar descobrir como é que isto se faz. Mas ainda estamos aqui. É tudo o que importa. O futuro é apenas um conceito, certo? Nunca estamos verdadeiramente no futuro... Estamos apenas aqui, agora. E este preciso momento é tudo o que temos. Por isso, pessoas que estão na casa dos 20: se, como nós, estão confusos com esta coisa de crescer, por favor saibam que está tudo bem. 

Vemo-nos por aí, 

Joel & Sara

terça-feira, 26 de janeiro de 2016

El Mar



Necesito del mar porque me enseña:
no sé si aprendo música o conciencia:
no sé si es ola sola o ser profundo
o sólo ronca voz o deslumbrante
suposición de peces y navios.




El echo es que hasta cuando estoy dormido
de algún modo magnético circulo
en la universidad del oleaje.



No son sólo las conchas trituradas
como si algún planeta tembloroso
participara paulatinamente muerte,




no, del fragmento reconstruyo el día,
de una racha de sal la estalactita
y de una cucharada el dios inmenso.



Lo que antes me enseño lo guardo! Es aire, 
incesante viento, agua y arena.

(...)

El Mar, Pablo Neruda



photography by us


Necesito del mar porque me enseña. "I need the sea because it teaches me", says Pablo Neruda. It could have been us saying it though. We feel extremely lucky to live by the sea, to breathe this air and to be able to feel the ocean in our bare skin. It always makes us feel so small, doesn't it? But in a good way. As if life matters, because we are able to experience such grand beauty... We like to believe that. 

//

Necesito del mar porque me enseña. "Preciso do mar porque me ensina", diz Pablo Neruda. Podíamos ter sido nós a dizê-lo. Sentimo-nos sempre sortudos por vivermos perto do mar, por respirarmos este ar, por podermos sentir o oceano na nossa pele despida. Faz-nos sentir pequeninos, não faz? Mas de uma maneira positiva. Como se a vida valesse a pena, porque temos a oportunidade de experienciar tão grande beleza... Gostamos de acreditar nisso.

Com amor, como sempre, 

Sara

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Ragged Wood











photography by us

Hey there, guys,

In case you're wondering: yes, we're still here! On a serious note though, sorry for our absence these last few weeks. We've been fighting against rainy and grey days. Although they're great to sit by the fireplace and watch a movie, they're not that good to be outside and take lots of pictures, which is what we enjoy doing. Anyway, we've been out for a few hours today (and caught some clean light, yay!) and the result is shown in the pictures above. We really wanted to get that autumn/winter feeling of melancholy, warm colours that illuminate cold spaces.
On the meantime, we've celebrated our 3rd anniversary together as a couple (again, yey!). Sara keeps insisting it's 3 years, although it feels like a week or something to me. As much "cliché" as it sounds, believe me when I tell you that I still lose track of time when she's around. But it feels just as great as on the first day.
I hope you guys have a great year, really do. And hopefully you keep staying around this little place of ours, saying the nice things you do, because that's our motivation to keep writing.

Cheers, see you around,

Joel 

//

Hey there, guys, 

Caso se estejam a questionar, sim ainda estamos por aqui! Mas, num tom mais sério, desculpem-nos a nossa ausência nas últimas semanas. Temos estado a tentar combater os demasiados dias cinzentos de chuva - que são ótimos para estar em casa a ver um filme à lareira, mas não tão bons para fotografar lá fora, que é o que realmente gostamos de fazer. Hoje, fnalmente, conseguimos sair por umas horas (e até apanhamos alguma luz, yay!) e o resultado é o que podem ver nas fotografias desta publicação. Queríamos mesmo retratar um sentimento melancólico, tão característico desta estação, através das cores quentes das folhas em contraste com os lugares frios. 
Entretanto, na nossa ausência, celebramos o nosso terceiro aniversário. A Sara continua a insistir que são três anos, embora sinta que passou apenas uma semana ou algo assim. Por muito que soe a cliché, acreditem quando digo que ainda perco noção do tempo na presença dela. Continua ser tão bom como no primeiro dia.
Espero que tenham um ótimo ano; mesmo. E espero que continuem a passar por aqui, pelo nosso pequeno refúgio, a deixar as vossas palavras sempre tão simpáticas, porque essa é a nossa motivação. 

Vemo-nos por aí, 

Joel